Honestidade é fator cultural ou de educação?

Hoje aconteceram duas situações que me fizeram pensar sobre honestidade. De manhã, quando ia pro trabalho ví uma pessoa ser retirada do streetcar por entrar sem pagar, e a noite quando fui no supermercado, o scanner do caixa não estava funcionando direito, e a caixa foi me perguntando os preços dos produtos sem checar nada, só confiando no que eu falava.

Em alguns trechos do transporte público, nas ruas mais movimentadas que o streetcar passa em Toronto é possível entrar pela porta traseira caso você possua o metropass ou o transfer (prova de que você pagou pela passagem anteriormente), o controle não é feito o tempo todo, e essa foi a primeira vez que vi fiscais conferindo se as pessoas pagaram, por isso, muitos espertinhos se aproveitam disso pra se locomover sem pagar, mas caso sejam pegos, como ocorreu hoje, da multa não dá pra fugir, nem da vergonha de ser pego.

Explicando melhor a segunda situação, eu estava no supermercado e usei o caixa automático pra pagar minhas compras. Acredito que esse sistema exista no Brasil também, onde você mesmo scaneia os produtos e paga por eles. Enfim, quando eu estava passando os produtos, o caixa estava com problema, e não registrava os preços. De longe, uma funcionária do supermercado só me perguntava quando custava o produto, e de lá mesmo colocava o preço, sem conferir nada, ou seja, eu podia falar que o produto custava a metade do preço que ela colocaria lá. Mas, como meus queridos pais me deram uma excelente educação, isso nem passou pela minha cabeça.

Essas duas situações me fizeram pensar em como a honestidade funciona. Os brasileiros por exemplo, são considerados um povo desonesto mundialmente. Todo mundo sempre tem uma história de um brasileiro que tentou passar a perna, ou tentou se aproveitar de alguém, mas se todos os brasileiros são assim, porque eu não sou? Já me acostumei com a cultura da honestidade do Canadá? Acho que não! Sempre fui honesta, e lembro da minha mãe me perguntando lá na escolinha de quem era aquele lápis no meu estojo, e me falando pra devolver quando eu dizia que tinha pegado emprestado da coleguinha.

A verdade é que honestidade é sim um fator de educação, e infelizmente, em uma cultura onde as pessoas são extremamente educadas e honestas como a do Canadá, os espertinhos se aproveitam da boa fé alheia para tirar mais proveito. Resta saber até quando a pouca fiscalização em locais como o transporte público vai funcionar em uma cidade tão multicultural, que recebe gente nova todo dia, e que na maioria das vezes não se adapta à cultura do local.

Deixe uma mensagem